Newsletter Multiplacomunica – Case HSBC

29 10 2009

Blog corporativo: case HSBC

Por Fernanda Mourão

Sempre atento às novidades tecnológicas da comunicação, Emilson Alonso, ex-presidente do banco HSBC, era um “orkuteiro” assumido. Os funcionários do banco podiam receber respostas para dúvidas e sugestões e até manter conversas rápidas com o dirigente. Antenada ao perfil profissional e ao crescimento da demanda de comunicação com o então CEO, a superintendente de endomarketing, Juliana Marques, sugeriu a criação de uma ferramenta. O objetivo era colocar as idéias de Emilson, à disposição de todos os funcionários, através de pequenos textos pessoais, em um blog corporativo.

O Blog do CEO transformou-se em um grande sucesso em pouco tempo. Atualmente, os funcionários participam de questões, levantam novos assuntos e interagem sobre o desempenho da empresa. Além disso, têm contato direto com o presidente, fato que seria mais difícil de acontecer pessoalmente, devido à agenda de todos. Mas o sucesso não foi imediato, segundo relatou Juliana durante uma palestra realizada no 23° Encontro Aberje. O pioneirismo da ação dificultou o trabalho, pela falta de iniciativas e padrões em que se basear. “Aprendemos na prática”, conta. No início, muitos funcionários tiveram receio de expor suas verdadeiras idéias, mas, com o surgimento de comentários com opiniões divergentes das idéias postadas pelo presidente, o medo de ser punido foi desaparecendo. Essa interação resultou em dois milhões de acessos registrados desde o início da implantação da ferramenta em 2006.

A humanização do relacionamento com o funcionário, o ganho na qualidade da informação e o fortalecimento da imagem da empresa diante do público interno foram alguns pontos destacados como positivos pela superintendente. Os benefícios de uma comunicação transparente, de mão dupla – do chefe para o funcionário e vice-versa – e a coleta de opiniões dos funcionários também são vantagens do blog corporativo. No caso do HSBC, Juliana apontou a desmistificação da imagem do CEO, a redução da rádio-corredor e até o gerenciamento de crise como pontos relevantes da ferramenta. Nesse aspecto, ela cita como exemplo a notícia do fechamento do banco HSBC, publicada em um jornal. Um post do CEO desmentindo o fato abrandou a agitação em pouco tempo. Outro caso interessante foi a discussão sobre o horário de funcionamento estendido do banco; através dos comentários, a equipe pôde pensar melhor sobre o assunto em conjunto.

O posicionamento do diretor em relação aos funcionários é importante. Juliana destacou que a linguagem usada deve ser mais informal e direta, mas as características pessoais devem prevalecer, afinal, o blog, mesmo corporativo, não deixa de ser um diário pessoal. No primeiro Blog do CEO, Emilson fazia questão de responder a tudo de forma não-paternalista, sempre em busca de questões que fizessem o funcionário refletir sobre carreira e responsabilidades profissionais. No segundo blog, manteve-se a linha do não-paternalismo, mas o cenário mudou um pouco. O atual presidente, Shaun Wallis, é inglês e veio para o Brasil sem falar português. O desafio de ter o blog, no entanto, foi aceito. A preocupação da equipe, que dá apoio à ferramenta, era a de não deturpar a transmissão das mensagens, por isso, um processo de tradução passou a ser feito para que Shaun pudesse entender todo o conteúdo. Os posts são sempre feitos nas duas línguas, inglesa e portuguesa, e a valorização das expressões de emoção também aumentaram com o novo blogueiro. Os textos mais curtos também diferenciam o segundo blog do primeiro, mas não há padrão de tamanho.

A palestrante ainda destacou que é preciso estar preparado para aceitar o conteúdo postado pelos funcionários. “É preciso ter estômago”, brinca. Nos comentários, surgem diferentes tipos de conteúdo, como boas sugestões e alertas para falhas de trabalho. Uma boa organização da equipe para investigar o que é falado, além de esclarecer as dúvidas que aparecem, é de extrema importância para o blog. Para ajudar a responder às dúvidas mais específicas, foram escolhidos alguns responsáveis de diversos setores da empresa, chamados de ‘guardiões’.

 

Um pouco mais sobre blogs
Para saber um pouco mais sobre a ferramenta, o multiplacomunica teve um rápido bate-papo com Juliana Marques.

multiplacomunica: Quais são os maiores erros que as empresas cometem em relação aos blogs?
Juliana Marques:
Não fazer reflexão sobre como o blog será utilizado, lançar o blog sem preparar o executivo e a corporação para lidar com a ferramenta e não fazer uma boa divulgação interna. É preciso que todos saibam que o blog existe.

multiplacomunica: Vocês pensam em fazer um blog para o público externo?
JM:
A idéia é vista com bons olhos. Um estudo foi feito e já discutimos, mas ainda não há nada certo.

multiplacomunica: Você é a favor do blog ser assinado por mais de uma pessoa?
JM:
O blog é um diário. A preferência é de que seja assinado por uma pessoa só, mas existem casos em que a necessidade é maior. Quando o CEO precisou sair de férias, diferentes diretores executivos foram convidados para escreverem no blog, mas, antes de cada texto, havia uma apresentação do autor escrita pelo CEO.

Caso deseje visualizar a página original clique aqui.

¤ Texto de Fernanda Mourão para a Newsletter Multiplacomunica.

 

Anúncios




Newsletter Multiplacomunica – Auditoria

29 10 2009
Auditorias: eficiência e melhores resultados na comunicação da empresa
Por Fernanda Mourão

Todos já sabem que a comunicação é uma importante ferramenta para atingir e integrar diversos setores em uma empresa. Para uma boa aplicação de um novo plano de comunicação e, até, após a implementação desse projeto, uma profunda análise dos métodos adotados pode ser o fator diferencial para o sucesso.

A auditoria de comunicação é uma ferramenta utilizada para analisar a eficiência dos métodos de comunicação e tem como objetivo diagnosticar a comunicação existente na empresa. Através desses resultados, ela identifica forças e vulnerabilidades. Uma auditoria pode, ainda, gerar indicativos sobre a performance das ferramentas, a percepção ou o grau de satisfação de determinado público sobre as informações que recebe. Com base nesses dados, o auditor apresenta recomendações estratégicas para o planejamento, que virá na seqüência do trabalho.

A assessora de comunicação Camila Teixeira fez pós-graduação, na França, em comunicação das organizações com especialização em auditoria. Lá, morou por quatro anos e aplicou seus conhecimentos em uma filial da Ford e para um órgão público francês. Camila explica que o rigor é essencial nesse trabalho: “É como se fosse uma fotografia, que vai revelar dados sobre a eficácia da comunicação realizada. Se a função da auditoria é identificar disfunções ou possíveis melhorias para a comunicação da empresa, o rigor e o olho clínico são fundamentais”.

A realização de uma auditoria pode seguir diferentes métodos. O ponto inicial é saber o que se busca com a pesquisa. Perguntas como: “Os funcionários estão satisfeitos com as informações que recebem?”, “Eles se identificam com as mensagens que recebem?” e ainda “Qual a imagem da minha empresa?” são exemplos de reflexões que ajudam a chegar às hipósteses e objetivos de trabalho. Ao final do processo de pesquisa, os resultados obtidos são comparados com as hipóteses iniciais e, desse resultado, surgem recomendações para a realização de uma comunicação adequada para a empresa.

A auditoria é um processo eficiente, mas precisa ser realizada por bons profissionais, segundo a assessora, que alerta que um diagnóstico impreciso ou errado pode gerar orientações inadequadas para a comunicação da empresa. “Isso significa estruturar todo um planejamento com base em dados sem fundamentos. Em termos práticos, significa o risco de investir tempo, energia e recursos em objetivos equivocados”, adverte Camila.

Caso deseje visualizar a página original clique aqui.

¤ Texto de Fernanda Mourão para a Newsletter Multiplacomunica.




Newsletter Multiplacomunica – Twitter

29 10 2009
Twitter uma nova opção para a comunicação
Por Fernanda Mourão

Logo do twitter

“O que você está fazendo agora?”.  Essa é a pergunta que tem feito do Twitter a nova febre entre os usuários de redes sociais. A ferramenta funciona como um microblog onde cada usuário relata, em até 140 palavras, o que está fazendo. Ao adicionar outros perfis, a página inicial passa a apresentar as diferentes atualizações de quem o usuário é um seguidor. Dessa forma, é possível acompanhar o dia-a-dia e atividades de amigos e empresas que se tenha adicionado à própria rede. Um vídeo, em inglês, bastante explicativo ajuda aos usuários mais recentes a entender melhor a proposta do Twitter.

Após dois anos do lançamento, o Twitter apresenta diferentes perfis de utilização entre o público. Muitos seguem a proposta inicial e relatam fielmente as atividades realizadas. Os blogueiros viram no twitter uma nova ferramenta para promoverem seus posts, e assim aumentar o número de frequentadores. Empresas como o jornal O Globo também utilizam a ferramenta para divulgar o conteúdo das páginas dos blogs. Um trecho inicial do texto é colado no twitter, seguido pelo endereço da página. Já o site Jornalistas da web ocupa o espaço para divulgar as notícias do site. Uma pequena chamada é feita e seguida pelo link da matéria. E ainda, há as empresas que contam suas novidades através do Twitter como o Centro Educacional de Tecnologia da Informação, Infnet, que, além de informar o que está ocorrendo nas aulas e cursos, promove as formas de pagamento e cursos que a empresa possui.

A diretora da Múltipla Comunicação e Marketing, Mônica Alvarenga, considera a ferramenta um bom meio de difundir informações. “Podemos usá-la até em palestras, com o envio em tempo real dos tópicos mais importantes discutidos em um evento. É uma possibilidade de compartilharmos informações relevantes de forma rápida e eficiente” conta Mônica, que aderiu à ferramenta na vida pessoal, assim como na empresa.

Recentemente a doutora em Ciência da Comunicação, Pollyana Ferrari, também chamou atenção, em seu blog, para o crescente uso do Twitter na comunicação de empresas e até mesmo na política. Ela citou o caso do mais recente presidente eleito dos EUA, Barack Obama, que utilizou o Twitter para agradecer o apoio dos eleitores na conquista da presidência. Obama é seguido por 165.414 perfis na rede social.

O sucesso do site fez com que o Twitter adiantasse a decisão de gerar lucro para a empresa através da publicidade. Os espaços publicitários serão disponibilizados a partir do primeiro trimestre de 2009. Outra novidade é o Yammer, um site com a mesma filosofia do Twitter, mas com foco no mundo empresarial. “No que você está trabalhando agora?” pode ser o novo hit para a comunicação de empresas no mundo virtual.

Caso deseje visualizar a página original clique aqui.

¤ Texto de Fernanda Mourão para a Newsletter Multiplacomunica.




Newsletter Multiplacomunica – Empregabilidade no jornalismo

29 10 2009

Empregabilidade no jornalismo

Em entrevista ao multiplacomunica, o jornalista e professor Marcio Gonçalves comenta sobre o que o mercado vem buscando dos novos profissionais.

Marcio Gonçalvesmultiplacomunica: Como você vê os profissionais de jornalismo recém-formados? Eles saem bem preparados das faculdades para o mercado profissional?
Marcio Gonçalves:
No geral, muitos deles saem da faculdade sem ter tido a chance de estágio na área. Para esses, fica mais difícil a entrada no mercado. Para os que conseguem estágio, tenho percebido que a área que mais contrata é a de comunicação organizacional. Falta, porém, que esses estudantes percebam a dinâmica do mercado. Poucos desenvolvem a habilidade de entender que, hoje, a comunicação funciona de forma integrada com todas as habilitações da comunicação social.

multiplacomunica: O que esses novos profissionais trazem de positivo para o mercado?
MG:
Esses alunos são de uma geração em que a tecnologia está muito presente. Eles possuem mais habilidade analítica.

Quais são os principais erros cometidos por esses jovens profissionais?
MG:
Entender que uma boa rede de relacionamentos é o que pode facilitar a vida profissional.

Como um recém-formado pode melhorar seu currículo para um mercado tão saturado?
MG:
Ele deve procurar fazer cursos, freqüentar seminários e fóruns de diversas áreas do conhecimento. Não pode focar somente em jornalismo e esquecer que marketing, relações públicas e publicidade também devem fazer parte do repertório.

Você acredita que ainda esteja valendo a pena investir na formação em comunicação ou o mercado não consegue captar a todos?
MG:
A área de comunicação empresarial é promissora. Há diversas vagas tanto em empresas estatais quanto privadas. Hoje, um estudante tem possibilidade de atuação em diversas atividades que envolvem comunicação.

Como você enxerga o atual cenário do mercado de trabalho nessa área?
MG:
Está cada vez mais dinâmico e requer, dos novos profissionais, uma cabeça estrategista e analítica. No jornalismo hard news,
o profissional precisa ter diversas habilidades para vencer na carreira.

multiplacomunica: Como o mercado de trabalho encara o profissional que faz uma pós-graduação?
MG:
Fazer uma pós-graduação ainda é um diferencial. O empregador entende que o profissional está em busca de conhecimento e valoriza-o por essa iniciativa. Só que não adianta dizer que fez uma especialização. O mercado quer ver os resultados e a aplicação desse investimento no desenvolvimento do trabalho.

Muitos estudantes reclamam da falta de estágio. Existem realmente poucas opções ou essa procura não está sendo bem feita? A internet não auxilia nessa busca por experiências?
MG:
Já dizia o ditado: quem fica parado é poste. Hoje, há diversas ferramentas que auxiliam na divulgação de vagas. As chamadas redes sociais servem, e muito, na hora de buscar um estágio ou emprego.

Caso deseje visualizar a página original clique aqui.

¤ Texto de Fernanda Mourão para a Newsletter Multiplacomunica.




Newsletter Multiplacomunica – Audiobooks

29 10 2009
Leitura para todos os ouvidos
Por Fernanda Mourão

Crédito: Montagem de Evelyn Nunes

Os famosos disquinhos de histórias infantis, que geralmente vinham junto com livros, passaram por várias gerações como uma febre. A idéia simples de uma narradora levar a criança para um mundo de criatividade funcionou muito bem por diferentes décadas. Esse tipo de leitura, no entanto, tomou ares adultos e vem conquistando cada vez mais adeptos. Os audiobooks trazem para diferentes públicos a oportunidade de aprender e se entreter com o mundo da literatura de forma prática.

O princípio básico de um audiobook, audiolivro ou ainda, livro falado é a leitura do texto do livro feita por um locutor. Algumas edições incluem sonorização e uso de diferentes locutores interpretando personagens. A venda, atualmente, é feita através de downloads feitos diretamente do site de editoras ou em CDs em livrarias, mas há também as versões gratuitas oferecidas por diversos sites na rede.

A conversão para diferentes aparelhos como tocadores de mp3 e celulares tem facilitado a inclusão no cotidiano. Escutar o livro para passar o tempo no engarrafamento, praticando exercícios e tomando sol são alguns exemplos de ambientes que conciliam a leitura com outra atividade sem que uma atrapalhe a outra. Essa simultaneidade na realização das atividades é um ponto positivo, pois facilita e atualiza principalmente ao público que tem pouco tempo para dedicar a leitura.

A pesquisa “Retratos da leitura no Brasil” realizada nos anos de 2006 e 2007 pelo Instituto Pró-Livro entrevistou 95,6 milhões de pessoas. O resultado apresentou que apenas 2% dos entrevistados (2,9 milhões de pessoas) são adeptos do audiobook. O tempo médio de leitura foi outro dado indicado, os consumidores de audibooks dedicam em torno de 2h 11min a cada leitura.

Grandes editoras têm investido no mercado digital, como o grupo Ediouro, que criou uma editora exclusiva para lançamentos de livros narrados, a Plugme. Atores famosos e os próprios autores são convidados a narrarem as obras. No catálogo é possível encontrar livros de Paulo Coelho, Nelson Motta e até mesmo títulos pops como “Marley e Eu”. No mesmo segmento são encontrados os sites Universidade Falada e audiolivro.

Dicas de livros que podem ser baixados gratuitamente:

* é necessário ter instalado o real player no computador, caso não tenha clique aqui

1 – O Alienista de Machado de Assis

2 – Espumas Flutuantes de Castro Alves

3 – A relíquia de Eça de Queiros

Caso deseje visualizar a página original clique aqui.

¤ Texto de Fernanda Mourão para a Newsletter Multiplacomunica.




Newsletter Multiplacomunica – Responsabilidade social empresarial

29 10 2009
Responsabilidade Social Empresarial: sua empresa pratica?
Por Fernanda Mourão

O conceito de responsabilidade social expandiu-se, e a busca por uma maior integração com a sociedade, em diferentes áreas, tem atraído o público empresarial. O Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social divulga a seguinte definição: “Forma de gestão que se define pela relação ética e transparente da empresa com todos os públicos com os quais se relaciona e pelo estabelecimento de metas empresariais que impulsionem o desenvolvimento sustentável da sociedade. Isso deve ser feito preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais”.

Como começar: dicas na área de igualdade racial e meio ambiente

O multiplacomunica selecionou algumas recomendações das publicações “O compromisso das empresas com a promoção da igualdade racial” e “O compromisso das empresas com o meio ambiente” para exemplificar etapas que podem anteceder ao início de um trabalho social.

Igualdade racial:

  • Censo interno Realizar um censo interno, com quesitos de raça/cor, para orientar na gestão de pessoas. Além de auxiliar o planejamento de ações que promovam a diversidade existente ou detectem a ausência de determinados segmentos dentro da organização.
  • Sensibilização Criar uma estratégia inicial de sensibilização sobre a diversidade. Palestras, exposições e apresentações de filmes são algumas sugestões de eventos a serem realizados.
  • Revisão dos procedimentos Avaliar políticas, normas e procedimentos com a perspectiva da diversidade, buscando retirar barreiras ou construir condições de igualdade racial.
  • Metas para seleção e promoçãoEstabelecer metas em relação ao número de vagas a serem preenchidas por homens e mulheres negros, apontando o esforço voluntário da empresa para produzir alterações na demografia interna em curto ou médio prazo.
  • Investimento Social – Adotar uma abordagem étnico-racial nas ações sociais realizadas pela empresa e em seu programa de voluntariado. Colocar, sobretudo, recursos do investimento social privado na formação escolar de qualidade de pessoas negras, homens e mulheres.

Meio ambiente:

  • Adotar a ecoeficiência integralmente – Minimizar os custos com água e energia, promover trabalhos de reciclagem, uso de recursos renováveis e redução de emissões e descargas poluentes.
  • Miniminizar o consumo de recursos – Intervir, analisando todas as entradas e saídas da empresa em termos ambientais.
  • Definir metas de sustentabilidade compatíveis – Definir metas, considerando os possíveis impactos ambientais e sociais.
  • Priorizar a ética em relação ao lucro – Priorizar a preocupação de viabilizar a vida em sociedade.
  • Intensificar a educação ambiental – Investir em certificação ambiental. Existem diversas certificações ambientais, como ISO 14001 e os selos florestais FSC e Cerflor (Programa Brasileiro de Certificação Florestal).

Caso deseje visualizar a página enviada clique aqui.

¤ Texto de Fernanda Mourão para a Newsletter Multiplacomunica.

 





Newsletter especial para o dia do meio ambiente

29 10 2009

Dia do Meio Ambiente: chegou a nossa vez

Medidas de prevenção e despoluição de todo o meio ambiente são cobradas constantemente por toda a sociedade do Governo, de empresas e indústrias. Mas e a nossa participação? Será que está realmente de acordo com o que cobramos? Podemos fazer mais do que separar latinhas de alumínio do lixo comum de casa… Veja as dicas da Múltipla Comunicação. O Planeta agradece…

  • Quando for ao mercado leve seu carrinho de compras ou uma bolsa especial para compras. Evite o uso dos sacos plásticos, que têm se tornado vilões do lixo: um saco leva em média 100 anos para se decompor.
  • Não peça embalagem para a viagem desnecessariamente.
  • Utilize os dois lados do papel no trabalho e em casa.
  • Caminhe mais, ande de bicicleta. Evite usar o carro em curtas distâncias.
  • Evite o uso de pratos de plástico. Caso seja necessário utilizá-los, dê preferência aos de papelão.
  • Fuja dos alimentos com agrotóxicos, você estará ajudando a não poluir o meio ambiente e principalmente a saúde da sua família.
  • Utilize produtos biodegradáveis.
  • Mantenha a torneira fechada enquanto ensaboa louças e panelas.
  • Não queime lixo doméstico (plásticos, isopor, restos orgânicos). Os gases emitidos poluem a atmosfera causando doenças e efeito estufa.
  • Ande de transporte coletivo sempre que possível.
  • A fiscalização é uma importante arma. Criar “consciência ecológica” é importante na hora da compra dos produtos. Aos poucos devemos pesquisar sobre as empresas que atuam ecologicamente conforme as leis e não comprar mais das empresas que poluem e não andam conforme as leis. É trabalhoso, mas compensador.
  • Realize campanhas em seu condomínio ou trabalho. Um bom exemplo seria a campanha de redução do consumo de água. Disputas premiadas podem alegrar e ajudar a despoluir o mundo.
  • Opte pelo uso de pilhas e baterias recarregáveis, elas duram mais, agredindo menos o meio ambiente.
  • Devolva bateria e celulares antigos às lojas. A Vivo possui urnas nas lojas para essa coleta.
  • O Banco Real disponibiliza um Papa-pilhas para coletar todo tipo de pilhas e baterias. No site www.bancoreal.com.br/papapilhas, é possível saber os endereços dos postos de coleta.
  • A CooperVargem aceita doações de peças de computador (monitores, teclados,etc.), papelão, latas, garrafas pets, jornais e revistas, vidros. Para agendar o recolhimento do material entre em contato pelo número (21) 2442-7025.
  • O óleo de cozinha não deve ser jogado no esgoto, pois também polui o ambiente. A Disk Óleo Vegetal usado recolhe o material em todo o RJ a partir de 6 litros, o serviço é gratuito. O telefone é: 2260-3326. A empresa recicla atualmente 80 mil litros por mês.

Caso deseje visualizar a página enviada clique aqui.

¤ Texto de Fernanda Mourão para a Newsletter Multiplacomunica.







%d bloggers like this: